A diminuição do hormônio feminino costuma anunciar ondas de calor, ressecamento vaginal, variações de humor… Tanto mal-estar pode ser repelido pela terapia de reposição hormonal. Só que ela é indicada com moderação a mulheres com maior risco de câncer de mama. “O estrogênio é um fator de crescimento do tumor”, justifica o ginecologista Jaime Kulak Júnior, da Universidade Federal do Paraná.

Em busca de uma solução para as mulhers que não são candidatas à reposição, Kulak investiga substâncias que, administradas junto ao hormônio, inibem sua capacitação pela mama: “Elas limitam a entrada do estrogênio na célula mamária”, explica. A estratégia passará por testes clínicos para ser validada.

Prós e contras dos hormônios

Prós: quando repõem o estrogênio perdido, as mulheres deixam de sofrer com fogachos, alterações de humor e falta de lubrificação vaginal. A substância também ajuda a evitar a perda de massa óssea e a proteger os vasos.

Contras: a reposição deve ser feita de forma cautelosa em mulheres que, em razão de uma herança genética, têm probabilidade maior de encarar um câncer na mama ou no útero e naquelas com problemas de coagulação do sangue.

fonte: Revista Saúde/mdemulher

Foto: reprodução